Como tratar a Disfagia com a Fonoaudiologia?






A disfagia caracteriza-se, basicamente, pela dificuldade de engolir alimentos (uma alteração ou deficiência na deglutição ou no transporte faríngeo dos alimentos).

A disfagia pode surgir devido a diversas razões. Entre as principais estão as alterações neuromusculares (originadas de doenças neurodegenerativas, tais como Parkinson e Alzheimer; e de quadros como AVC ou paralisia cerebral, por exemplo) e as alterações obstrutivas, que levam à chamada Disfagia Mecânica, como traumas ou tumores na região da cabeça e do pescoço.

O profissional capacitado para avaliar e reabilitar o processo de deglutição é o fonoaudiólogo. Esse profissional irá avaliar o paciente e por meio de um atendimento especializado e personalizado poderá realizar adaptações na dieta, introduzir exercícios musculares ou treinar manobras para que a dinâmica da deglutição seja restabelecida ou adaptada no caso das alterações anatômicas, por exemplo.

Os relatos que o profissional pode encontrar na anamnese são engasgos frequentes, tosse sem razão aparente, sensação de corpo estranho na garganta e rouquidão são alguns exemplos de sinais que, aparecendo juntos ou isolados, podem apontar para a disfagia

O fonoaudiólogo, após avaliação, irá orientar os cuidadores quanto às consistências alimentares, que são classificadas em pastosas, semissólidas, sólidas e líquidas. Entre elas, podemos subclassificar como alimentos heterogêneos ou homogêneos.

Também é comum utilizar diferentes consistências de líquidos: líquido ralos, líquido néctar ou xarope, líquido mel e líquido pudim. Para melhor elucidar essa nomenclatura, podemos exemplificar como alimentos heterogêneos os alimentos que são constituídos por duas consistências, como a canja, que tem um caldo ralo, classificado como líquido fino, e pedaços de frango desfiado, classificado como alimento sólido. Quanto aos alimentos homogêneos, podemos descrevê-los como alimentos que mantêm um aspecto só, sem pedaços ou grãos, como um creme.

Além disso, a maneira com que o alimento é ingerido também importa, sendo padronizado o volume de ingestão (quantidade por garfada e por refeição), a velocidade de oferta (intervalo entre as garfadas), o posicionamento do corpo, o utensílio utilizado, o local onde a refeição é realizada, os estímulos ou distratores ao redor, entre outros aspectos.

A reabilitação fonoaudiológica é parte crucial no tratamento da disfagia, que pode envolver também outros profissionais de Saúde. O fonoaudiólogo pode, por exemplo, detectar a necessidade de alteração da consistência dos alimentos ingeridos (a fim, principalmente, de evitar o risco de aspiração do conteúdo para o pulmão), trabalhando em conjunto com um nutricionista.

A terapia fonoaudiológica também envolve exercícios musculares para melhorar a força e a mobilidade dos órgãos fonoarticulatórios e da musculatura da garganta, a elevação laríngea, a coordenação respiração-deglutição e o fechamento laríngeo. Cada um desses parâmetros, entre outros, que englobam a atuação fonoaudiológica dentro da disfagia, devem ser adaptados segundo a patologia de base do paciente, estado de alerta, comorbidades e considerando os resultados da avaliação do processo de deglutição, sendo o trabalho individualizado e personalizado.

A duração do tratamento depende muito da doença de base (que deve ser investigada por um médico) e do nível de envolvimento do paciente. Nas doenças neurológicas progressivas, muitas vezes o trabalho tem o objetivo de adaptar uma dieta e manter a função de deglutição segura pelo máximo de tempo possível. Pode ser necessário que o paciente faço acompanhamentos periódicos para o fonoaudiólogo sempre reavaliar a função de deglutição ou que mantenha seus exercícios a longo prazo.

No caso de disfagia pós intubação orotraqueal, por exemplo, a reabilitação costuma ser rápida e em poucas semanas de atendimento semanal a pessoa já restabelece o padrão de deglutição normal.

Para finalizar, vou  indicar 2 cursos sobre Disfagia para profissionais da saúde!

Aborda sobre evidências científicas e clínicas da atuação fonoaudiológica na disfagia, no processo diagnóstico funcional e da terapia fonoaudiológica em nível introdutório nesse grupo de pacientes. Clique aqui e saiba mais!


Conteúdo: Controle salivar; Análise multidisciplinar de parâmetros para indicação de tratamento cirúrgico, Mudanças volumétricas na faringe no idoso e exercícios para prebisfagica,  Técnicas de liberação miofascial e drenagem linfática manual facial e cervical. Clique aqui e saiba mais!

Sou a Dani, a atendente do Quero Conteúdo e posso te indicar cursos e ebooks sobre esse assunto.. Entre em contato conosco através do Email, do Whatsapp ou do Messenger

Comente:

Nenhum comentário